O básico que você precisa saber para ter orquídeas

O básico que você precisa saber para ter orquídeas

As orquídeas são espécies de plantas que fazem bastante sucesso entre os amantes de jardinagem devido a sua beleza em cor e tamanhos. Entretanto, o que elas tem de atraente, elas tem de difícil, isso porque cuidar dessas plantinhas não é um tarefa fácil. Por isso, trouxemos o guia o básico que você precisa saber para ter orquídeas

Para tanto, hoje iremos conhecer algumas especificações que não podem passar batido na hora de começar a cultivas as orquídeas. Conheça a seguir os melhores tipos de vaso, se o seu cultivo deve ser no chão ou suspenso, quando e como trocar a sua planta de vaso, que frequência regá-las, os melhores ambientes para criá-las, e as principais doenças que podem acometer as suas orquídeas.

Tamanho de vaso ideal

Cultive suas orquídeas em vaso sem adoecê-las
A escolha de um vaso para o cultivo de uma orquídea

De acordo com a revista científica Nature, a espécie orquídea teve sua origem na era Cenozóica. Isso significa que a primeira vez que uma planta desse tipo foi avistada há 20 milhões de anos atrás.

De lá pra cá, as orquídeas já sofreram alterações o suficiente para se transformar e gerar novos tipos de plantas da mesma espécie. E cada uma delas, embora semelhantes, necessitam de algumas especificações para o seu cultivo.

Sendo assim, comecemos com o básico que você precisa saber para ter orquídeas em vasos. A escolha de um vaso que comporte a sua espécie de orquídea selecionada faz toda a diferença no sucesso do seu cultivo. A escolha do vaso pode evitar problemas de crescimento, evitar o aparecimento de doenças, reduzir a necessidade de rega, dentre outros.

O vaso precisa comportar a planta em todos os seus estágios.
O vaso precisa comportar a planta em todos os seus estágios.

Portanto, observe as necessidades da espécie escolhida. Se a sua orquídea não lida muito bem com a umidade, escolha uma vaso mais raso pois esses tendem a secar mais rápido. Mas caso seja o contrário, escolha vasos maiores e mais profundos.

Outro para observamos é a largura do vaso. Não exagere na largura do vaso! Lembre-se da dica anterior, vasos grandes acumulam umidade e isso pode apodrecer sua raíz. Logo, escolha algo menor o suficiente para o crescimento adequado para a sua orquídea.

Dentro dessa características temos algumas opções de vasos:

Vasos de cerâmica

Os vasos de cerâmica auxiliam na drenagem
Os vasos de cerâmica auxiliam na drenagem

Muito utilizado, os vasos de cerâmica são um recipiente coringa pois normalmente qualquer orquídea consegue se adaptar a ele. Isso porque esse vaso possui uma boa drenagem e uma boa aeração das raízes devido os vários poros em sua estrutura.

Vasos de plástico

Embora sejam os mais baratos, os vasos de plástico não são tão bons assim para as orquídeas
Embora sejam os mais baratos, os vasos de plástico não são tão bons assim para as orquídeas

Os vasos de plástico são os mais comuns e baratos de serem encontrados. O que mais atrai para essa opção é justamente a sua variedade de cores, tamanhos e formatos. Porém, em comparação as outras opções, esse tipo de vaso não é muito recomendado. Isso porque retem poucos sais, são muito leves e com isso você precisará gastar mais com substrato, e retém muita umidade.

Cestas ou vasos vazados

Esse tipo de vaso é uma ótima alternativa para as orquídeas epífitas.
Esse tipo de vaso é uma ótima alternativa para as orquídeas epífitas.

Essa variedade de vaso é uma ótima opção para as orquídeas epífitas, que são aquelas que vivem nas alturas, ou seja, vivem em cima de outras plantas e árvores. São fáceis de limpar, reduzem a chance de aparecimento de doenças nas raízes, possuem ótima aeração e liberdade de crescimento das raízes e possui uma ótima durabilidade.

Fibra de coco

A fibra de coco ajuda a manter a umidade por mais tempo.
A fibra de coco ajuda a manter a umidade por mais tempo.

Também conhecido com vasos de xaxim, os vasos de coco são feitos com a fibra do coco e imitam o próprio xaxim, que hoje é proibido o uso. Porém, as fibras do coco emulam muito bem os xaxins, inclusive suas características de retenção de água.

Vasos suspenso ou no chão?

Os vasos suspensos são uma alternativa
Os vasos suspensos são uma alternativa

De modo geral, o básico que você precisa saber para ter orquídeas em vasos é conhecer melhor a sua planta. Normalmente os vasos suspensos são utilizado para aquelas orquídeas epífitas. Essa espécie adora estar em lugares altos e aproveitar a umidade e o sol das outras árvores. Além disso, essa espécie adora pouco substrato já que prefere mais ar nas raízes.

Por isso, nesses casos prefira os vasos suspensos e vazados. Já se a sua orquídea é daquelas que precisa de adubação constante, e boa umidade mas não em excesso a melhor opção é apostar nos vasos no chão. Nesses casos, escolha vasos de cerâmica.

Como trocar as orquídeas de vaso?

É importante trocar de vaso a cada quatro anos
É importante trocar de vaso a cada quatro anos

Você deve dominar o básico sobre adubação do solo das orquídeas para saber quando e como trocar as orquídeas de vaso. No geral, você deve trocar de vaso a cada quatro anos. Isso porque o substrato onde as plantas ficam fica pobre em nutrientes. Logo, precisa ser trocado ou adubado.

Entretanto, essa regra varia de acordo com o tipo de vaso que você escolhe para cultivas suas plantas. É o caso dos vasos de xaxim e do de casca de pínus que propiciam uma vida mais longa para o seu substrato. Por outro lado, os vasos de fibra de coco, por exemplo, diminuem a vida útil do seu substrato.

Certo, mas como trocar as orquídeas de vaso. O básico que você precisa saber para ter orquídeas e mudá-la de vaso é dominar um pouco do seu ciclo. As orquídeas diferentemente das outras plantas, não apresentam um período de dormência que ocorre depois da floração. Essse período é caracterizado pela redução das suas atividades metabólicas.

Portanto, basta esperar passar o período de floração para trocar sua planta de vaso. O processo é simples. Basta esperar o substrato secar um pouco, afrouxar a terra nas laterais do vaso, segurar com a mão espalhada na parte de cima do vaso e virá-lo. Fazendo isso o torrão da sua planta ficará inteiro na sua mão e você só precisa acomodá-lo no seu novo vaso.

Com qual frequência regar?

Crie um calendário de regas para não alagar sua orquídea.
Crie um calendário de regas para não alagar sua orquídea.

A frequência de regar de uma orquídea dependerá de dois fatores: o tipo de vaso e a espécie cultivada. Entretanto, O básico que você precisa saber para ter orquídeas hidratada é que será preciso montar um calendário de regas para não alagar a sua planta.

Lembe-se que no habitat natural, ou seja, em cima da copa das árvores, as orquídeas ficam com suas raízes expostas. Portanto, o mais importante para elas não é muita água, mas sim muito oxigênio.

A dica é observar o vaso e o clima;
A dica é observar o vaso e o clima;

Logo, elas requerem mais água nos período mais quentes e pouca água nos períodos de inverso. Porém, o substrato nãos pode ficar exarcado em ambas as situações climáticas. e muito menos devem ser regado em momentos mais quente do dia. Por isso, opte por regar pela manhã.

Além disso, fique atento para o tipo de vaso. Se o seu vaso retém água não faz sentido regar muitas vezes durante a semana. Recomendamos que observe as necessidades da sua espécie de orquídea e a partir disso, monte o seu calendário de rega.

Qual o ambiente ideal?

Um clima tropical úmido é essencial
Um clima tropical úmido é essencial

De modo geral, as florestas tropicais são ideais para as orquídeas. Onde o clima é quente, úmido e possui bastante sombra, já que essas espécies adoram viver na copa das árvores aproveitando essas características do clima e deixando suas raízes expostas.

Portanto, uma ótima de cultivas essas espécies em casa é emular esse ambiente natural. Para isso, escolha vasos que retenham a umidade, mas que propiciem uma boa aeração da planta.

Principais doenças que destroem Orquídeas

É preciso ficar de olho na umidade para não causar doenças.
É preciso ficar de olho na umidade para não causar doenças.

O grande problema encontrado pelas orquídeas é a umidade. Em seu habitat natural, suas raízes ficam livres de substrato, e por isso não correm o risco do excesso de umidade. Porém, quando cultivada em vasos esse problema é bem comum.

Por isso, as principais doenças que destroem as orquídeas são a podridão das suas raízes, rizomas e pseudobulbos. Isso porque o excesso de água é ideal para o desenvolvimento de bactérias, que causam, por exemplo, a podridão negra, a podridão negra bacteriana, manchas foliares, mancha bacteriano dos Phalaenopsis, dentre outras.

Entenda os primeiros cuidados com uma orquídea.

Agora que você já é fera sobre as orquídeas, que tal revisar os seus conhecimentos com esse vídeo?